Deus se importa com minhas roupas!


Se suas roupas pudessem falar, o que elas diriam a respeito do seu relacionamento com Deus?

Isso mesmo! A maneira como nos vestimos e nos arrumamos pode dizer muito a nosso respeito. Ela pode indicar nosso humor, nossa personalidade e pode, também, apontar para nossas referências. Basta olhar a quantidade de blogs de moda, ou a popularidade dos ícones fashion do Instagram, para percebemos em quem muitas de nós nos espelhamos quando se trata de se vestir. O problema disso tudo é que, muitas vezes, os padrões adotados pelo mundo se chocam com os padrões propostos por Cristo. E, então, o que devemos fazer?

Deus e meu guarda-roupa

Antes de tudo, precisamos entender que Deus se importa com a maneira como nos vestimos e nos arrumamos. Infelizmente, poucas de nós têm isso em mente quando se trata da nossa aparência. Nossa tendência é de, geralmente, buscarmos ficar belas para nós mesmas ou para os outros, ao invés de nos empenharmos em agradar a Deus por meio da nossa vestimenta. Quando pensamos que podemos nos vestir da maneira que bem entendemos, estamos ignorando dois dos principais ensinos bíblicos: amar a Deus sobre todas as coisas (Mc 12.30) e fazer TUDO para a glória dele (1 Co 10.31). Inclusive se vestir.

Quando Cristo passa a ser nosso Senhor, nós voluntariamente decidimos nos submeter aos seus padrões, e isso inclui a maneira de nos vestirmos.  Se nossos desejos pessoais falam mais alto do que nosso amor a Deus, precisamos lembrar que nos convém diminuir para que ele cresça em nós (Jo 3.30). Logo, nossas vestimentas não mais devem ter o papel principal de demonstrar nossos gostos pessoais ou nossa personalidade, mas o de agradar a Deus. Não devemos nos empenhar em chamarmos atenção para nós mesmas, mas sim para que, por meio de nós, a atenção se volte para Cristo.

Vestir-se e maquiar-se adequadamente é muito mais do que usar uma saia curta ou comprida, uma blusa de alcinha ou de meia manga, maquiagem chamativa ou sóbria. É revestir-se da beleza do caráter de Cristo. É uma questão do coração. É uma questão de humildade: a “peça básica” do guarda-roupa de toda mulher cristã.”[1] 

Nossa principal referência

“Deus foi o primeiro estilista, criador das roupas. A necessidade de nos vestirmos teve origem na queda”[2] e serviu para nos cobrir de nossa vergonha (Gn 3.21). Diante disso, as roupas não devem ser abominadas por nós e nem supervalorizadas. O que precisamos entender é que elas cumprem um papel determinado por Deus e não por nós. Isso “significa que sua roupa diz a verdade a respeito do Evangelho. Sua roupa mostra ao mundo que Jesus cobre a sua vergonha e faz com que você seja decente. Suas roupas cobrem a sua nudez como vestir-se de Cristo cobre o seu pecado.”[3]

Dessa forma, se a nossa maneira de se vestir entra em conflito com o padrão determinado por Deus, é necessário rever quais têm sido nossas referências. Importamo-nos mais em estarmos na moda e de acordo com os ícones do momento ou de acordo com os ensinamentos de Cristo? Estamos preocupadas em seguir a quem?

Padrão “modéstia, decência e discrição”

Ok. Eu já entendi que devo me vestir para a glória de Deus e de acordo com os padrões de Cristo, mas o que isso quer dizer?

Isso quer dizer que quando formos escolher nossas roupas devemos levar em consideração o que a Bíblia diz acerca das nossas vestimentas, o que nos leva ao padrão “modéstia, decência e discrição”.

[...] quero que as mulheres se vistam modestamente, com decência e discrição, não se adornando com tranças e com ouro, nem com pérolas ou com roupas caras, mas com boas obras, como convém a mulheres que declaram adorar a Deus”. 1 Timóteo 2.9-10

Se vestir com modéstia, decência e discrição não quer dizer que nossas roupas têm de ser feias e sem graça. Devemos nos vestir de tal forma que nossas atitudes falem mais alto do que nossa aparência. Quando as pessoas se lembram de você, elas a associam à sua maneira de se vestir ou à forma como suas atitudes lembram as de Cristo?

Ao se vestir, avalie se sua roupa é modesta, decente e discreta e lembre-se de que seu objetivo deve ser agradar a Deus e não as pessoas.

A beleza que permanece

A beleza de vocês não deve estar nos enfeites exteriores, como cabelos trançados e joias de ouro ou roupas finas. Ao contrário, esteja no ser interior, que não perece, beleza demonstrada num espírito dócil e tranquilo, o que é de grande valor para Deus”. 1 Pedro 3.3-4, grifo nosso.

Nós sabemos que a beleza é passageira e que a juventude um dia vai acabar, mas não é isso que nossas atitudes muitas vezes refletem. É só reparar na quantidade de tempo e dinheiro que gastamos com nossa aparência. Isso não quer dizer que devemos ser negligentes e desleixadas, pois a própria mulher de Provérbios 31 é um exemplo de cuidado ao se vestir e vestir os de sua família. A diferença é que o retrato que é feito dessa mulher exemplar enfatiza muito mais sua postura e caráter, e que “a força e a dignidade são os seus vestidos” (Pv 31.25), do que sua beleza física. Isso nos lembra de que Deus está muito mais preocupado com um coração temente a ele do que se vamos usar vestido ou calça jeans.

“Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada”. Provérbios 31.30

Como mulher, eu entendo perfeitamente o quanto é difícil deixar de lado nosso apego às aparências. Sei que é uma luta constante para não nos sentirmos insatisfeitas com o corpo que o Senhor nos deu e para não agirmos de maneira a buscar o elogio das pessoas. Mas sei também que Deus sabe o que faz e que o padrão dele é certamente muito melhor do que o meu. Sei que o amor dele por mim independe da minha aparência e que eu sou bela simplesmente por ser criação dele, feita à sua imagem e semelhança (Gn 1.27).

Que ele nos ajude nessa difícil tarefa de “despir-[nos] do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos” para “revestir-[nos] do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade” (Ef 4.22-24). Que nossas roupas nos auxiliem a comunicar um relacionamento profundo com o Senhor e que, em tudo, busca honrá-lo e glorificá-lo.

-------------------------------------------------
[1] ALFANO, Maria Cecília. Deus e minhas responsabilidades. Disponível em:
<https://www.scribd.com/fullscreen/202348524?access_key=key-mf76dj5s81mk202lv38&view_mode=book>. Acesso em: 17 de agosto de 2016.
[2] Idem.
[3] Conexão Conselho Bíblico. Disponível em: <https://conselhobiblico.com/2011/05/22/essa-roupa-cai-bem/>. Acesso em 17 de agosto de 2016.


Comentários

  1. Muito bom!!! Vou divulgar para as garotas da igreja!!

    ResponderExcluir
  2. Ótima maneira de abordar o assunto!! Adorei ��

    ResponderExcluir
  3. Olá sou nova no Blog, gostaria que vc fizesse uma lista de roupas que não deve ser usada por cristãs!!!

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigada, era o que eu precisava!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns muito bom,Deus abençoe😘

    ResponderExcluir
  6. Muito bênção amada. Que todos tenham esse entendimento.

    ResponderExcluir
  7. Amei o texto. Concoddo exatamente com isso. Parabéns!

    Assuntos cristãos você também encontra aqui, e muito mais -> www.desconversei.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. DEUS falou fortemente comigo , gloria DEUS POR TUDO

    ResponderExcluir
  9. Maravilhoso e edificante!! Frase marcante: "Suas roupas cobrem a sua nudez como vestir-se de Cristo cobre o seu pecado."

    ResponderExcluir
  10. Glória a Deus por isso. O que torna uma mulher bonita não é suas vestimentas, joias, maquiagens, formosura. O que torna uma mulher bonita é o brilho do Espírito Santo que há nos olhos, no geito de vestir, no geito de falar, na decência das atitudes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação